BLOG







Existe algum tipo de alimento que pode atrapalhar o tratamento do câncer?

A alimentação é um ponto que deve ser levado a sério por todas as pessoas, afinal ela interfere diretamente em nossa saúde. Por exemplo, é comprovado que uma dieta pobre em frutas, legumes, verduras e com o excesso de alimentos gordurosos e ultra processados podem fazer mal ao organismo e interferir na qualidade de vida.

Ao realizar o tratamento do câncer, muitos pacientes e seus familiares sentem dúvidas em relação a alimentação, pois tem medo de que determinados alimentos possam interferir no tratamento. Por isso no artigo de hoje iremos te responder se existe algum tipo de alimento, que pode atrapalhar o tratamento do câncer, confira!

 

Algum alimento específico pode realmente atrapalhar o tratamento do câncer?

De acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade de Harvard, nos Estados unidos, o aminoácido leucina pode atrapalhar o tratamento do tipo mais comum de câncer de mama.

A leucina é uma substância, que atua na manutenção das células do corpo e auxilia na saúde dos músculos. Está presente em diversos alimentos como carnes, leites e proteínas vegetais.

Os cientistas responsáveis pelo desenvolvimento da pesquisa, realizaram testes em células isoladas no laboratório e a partir dos resultados, descobriram, que ao aumentar os níveis de leucina em conjunto com um tipo específico de tratamento intensificava o crescimento do câncer de mama, agravando o caso. Contudo, foi observado, que a restrição desse nutriente suprimia a atividade maligna da doença.

Esse comportamento da leucina foi observado em um tumor de mama com receptor de estrogênio, subtipo que corresponde a quase 70% dos casos dessa doença.

A ideia é que através da descoberta obtida com a pesquisa, seja utilizada para o desenvolvimento de remédios, que sejam capazes debloquearem a ação da leucina nos tumores.

Contudo a pesquisa ainda não se encerrou. O grupo de cientistas responsáveis está estudando quais são os efeitos no organismo ao cortar alimentos, que contenham leucina da dieta, se isso traz algum tipo de benefício ao corpo ou tratamento.

 

Apontamentos a respeito da pesquisa

Patrícia Jucá, Oncologista e Mastologista da unidade especializada nas mamas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) diz: “A relação entre leucina e resistência ao tratamento do câncer de mama com receptor de estrogênio não está bem estabelecida. Os estudos são preliminares, com experimentos realizados em cultura de células e camundongos”.

Ou seja, a ligação ainda pode ser distante quando aplicado em seres humanos. De acordo com especialistas, ao tratar um câncer, é necessário manter uma boa dieta. A hipótese de tirar leucina da alimentação, é retirar proteínas importantes da alimentação, o que ocasiona a perda de massa muscular e força, o que de fato pode prejudicar o paciente e o tratamento dele contra o câncer.

 

Afinal, quais alimentos devem ser evitados no tratamento do câncer?

Não existe nenhum estudo comprovado sobre alimentos, que interfiram de fato no tratamento do câncer, contudo essa doença é severa e o tratamento causa um grande impacto no organismo, por isso a alimentação deve ser extremamente balanceada para que o paciente se mantenha forte durante o processo.

 A falta de apetite é um sintoma associado ao tratamento contra o câncer e isso pode levar a desnutrição. Por isso é ideal para uma boa recuperação, que o paciente mantenha seu peso e garanta uma ingestão adequada de nutrientes em sua dieta, consumindo frutas, verduras e legumes, isso o ajuda a fortalecer seu organismo.

Mesmo não existindo alimentos, que atrapalhem diretamente o tratamento, alguns tipos de alimentos devem ser deixados de lado para uma melhor recuperação, são eles:

 

Alimentos ultra processados

Esse tipo de alimento geralmente possui excesso de sal, açúcar e substâncias como nitrito e nitrato, que são bastante prejudiciais à saúde do paciente. Além disso, esses alimentos podem aumentar a obesidade e gordura visceral, que são considerados fatores de risco para doenças como o câncer de mama, o que consequentemente atrapalha o tratamento.

Alimentos feitos sob fritura

Muitos alimentos, quando expostos ao óleo quente e gorduroso, como acontece no processo de fritura, podem liberar substâncias potencialmente cancerígenas, além disso o próprio óleo pode formar uma substância cancerígena chamada acroleína.

Outro ponto é que os alimentos feitos sob fritura podem provocar quadros de colesterol e de doenças ainda mais graves como infartos ou AVC, por isso devem ser evitados.

Alimentos Açucarados

O excesso de ingestão de açúcar pode provocar doenças como obesidade, que está ligada a alguns tipos de tumores na mama e no trato digestivo. Além disso essa substância pode danificar estruturas celulares do organismo.

Bebidas alcoólicas

O excesso de bebidas alcoólicas está relacionado ao surgimento de tumores na mama, na cavidade oral e no fígado, por isso o recomendado é que ao realizar um tratamento de câncer, evite esse tipo de bebida. Além disso, caso o paciente possua algum tipo de ferida ou machucado na boca, garganta ou trato digestivo, pode ser que o álcool agrave essa situação.

 

O melhor método de ter uma alimentação com todos os nutrientes necessários para a saúde durante um período como o tratamento do câncer é com ajuda profissional, por isso procure também um nutricionista para te auxiliar nessa jornada.

Contudo, fazendo essas restrições alimentares você já está a um passo de ter uma alimentação mais saudável e que ajuda a manter o seu corpo e organismo forte durante o tratamento de câncer. Além disso, evitar esses alimentos te ajuda a evitar várias doenças crônicas como a diabetes e hipertensão.

Mantendo uma alimentação regrada, sem esses itens no cardápio, você também reduz as chances de uma recidiva, ou seja, surgimento deum novo câncer e melhora a sua qualidade de vida.

Quer mais dicas para cuidar da sua saúde e prevenir o câncer de mama? Confira nossos artigos:

·        Saúde da mulher: exames importantes que devem ser realizados periodicamente

·        Qual é a importância de fazer um Check-up?

Gostou do nosso conteúdo? Acesse nosso blog e descubra muitos outros superinteressantes. Aproveite e acompanhe nossas redes sociais para mais dicas: Instagram e Facebook.

E lembre-se, conte sempre com o Laboratório Exame para realizar os seus exames com eficácia, segurança e qualidade. Caso queira agendar o seu, ligue para o telefone (18) 3622-0011 ou através do WhatsApp (18)98119-3963.

 

 

Fonte: Veja Saúde 



Saúde da mulher: exames importantes que devem ser realizados periodicamente

A saúde é algo extremamente delicado, que deve ser bem cuidada e preservada, afinal através dela é que garantimos bem-estar e uma boa qualidade de vida.

As mulheres, devem ter cuidados redobrados com a saúde, pois existem diversas condições, que podem afetá-las e prejudicá-las no decorrer da vida.

A realização de um Check-up anual é essencial para a manutenção da saúde e prevenção de diversas doenças. O Check-up deve ser parte da rotina de qualquer mulher, que possui idade acimados 18 anos.

Contudo, muitas mulheres ainda não entendem a importância da realização desses exames e o quanto eles podem impactar e ajudar em sua saúde, por isso no artigo de hoje vamos falar sobre a saúde da mulher e os exames importantes, que devem ser realizados periodicamente. 


Saúde da mulher – Cada geração requer cuidados específicos

Em cada fase da vida da mulher é necessário a realização de exames, comuns, mas também outros específicos, de acordo com as necessidades, que surgem com as idades diferentes, por isso, separamos os principais exames, que devem ser realizados periodicamente por fases.

 

Início do Ciclo Menstrual – Onde os cuidados começam

Quando se inicia o ciclo menstrual, é ideal que a mulher comece a realizar todos os exames de saúde geral, para que possa diagnosticar doenças, que possam existirem seu organismo, algumas pelas quais pode ter pré-disposição a desenvolver e identificar aquelas, que ainda podem não ter se manifestado. A partir desses exames a mulher criará uma rotina, na qual realizará esses exames periodicamente, o recomendado é de pelo menos 1 vez a cada ano fazer esse Check-up.

Alguns dos problemas, que podem ser identificados inicialmente são problemas do coração, da tireoide, hipertensão e diabetes.

 

Exames gerais: são exames, que devem ser feitos todos os anos, pois são de extrema importância para a análise médica e para identificar alterações no organismo. Esses exames são:

·        Hemograma – para realização de uma análise geral do sangue;

·        Glicemia;

·        Ureia e creatinina – para verificar as funções renais;

·        Colesterol total e triglicerídeos;

·        Função tireoidiana;

·        Urina;

·        Parasitológico de fezes;

·        Eletrocardiograma;

·        Teste ergométrico;

·        Eco cardiograma.

 

Outros exames: já estes são exames mais específicos, com foco em determinados aspectos e solicitados em situações específicas, mas ainda assim importantes.

·        Papanicolau e exame pélvico - recomenda-se ser feito anualmente a partir dos 18 anos ou a partir do início das relações sexuais;

·        Ultrassom pélvico ou transvaginal – solicitado quando necessário pelo ginecologista da mulher;

·        Auto exame de mama – extremamente importante, deve ser realizado mensalmente, logo após o período da menstruação. Mesmo que a menstruação não seja regular, o exame deve manter a periodicidade mensal. Através dele é possível identificar nódulos nas mamas e procurar o médico para conferir a possibilidade de câncer de mama.

 

A partir dos 30 aos 40 anos de idade

Além do Check-up regular, citado no tópico anterior, que deve ser mantido desde o início do ciclo menstrual, a partir dos 30 anos deidade, a mulher deve tomar cuidados especiais com o sistema reprodutor, pois é nessa fase da vida, que aumentam as chances do desenvolvimento de câncer de mama e de colo de útero.

Por isso, além de manter os exames do tópico anterior, a mulher também deve adotar um novo:

·        Mamografia– o ideal é que seja realizada pela primeira vez aos 35 anos, depois passe a ser realizada anualmente. Contudo, para as mulheres, que possuem histórico de câncer de mama na família (mãe ou avó), é essencial realizar já aos 30 anos.

 

Dos 40 aos 50 anos de idade

Nessa fase, o corpo começa a sofrer algumas alterações do tempo, por isso é necessário dar atenção à osteoporose.

·        Densitometria óssea - é recomendado, que esse exame seja feito pela primeira vez entre os 40 e 45 anos, após isso deve ser repetido anualmente.

·        Papanicolau - é recomendado para mulheres, que estão entrando na menopausa, as que estão ou já realizaram tratamento de câncer de colo uterino. O ideal é que seja feito quatro vezes por ano.

·        Exame pélvico - é recomendado para mulheres, que estão entrando na menopausa, as que estão ou já realizaram tratamento de câncer de colo uterino. O ideal é que seja feito quatro vezes por ano.

·        Raio- X do Tórax – recomendado a ser feito anualmente a partir dos 40 anos para as mulheres fumantes.

·        Testes do perfil hormonal - deve ser realizado logo após o início do climatério, que é o período que antecede à menopausa.

 

Após os 50 anos de idade

Nessa idade é altamente recomendado, que os exames sejam feitos rigorosamente de forma anual ou até mesmo semestral, de acordo com os resultados ou estado clínico da mulher.

As mulheres diabéticas devem estar atentas também a:

·        Contagem de glicemia;

·        Controle de peso;

·        Exame de fundo do olho.

 

Câncer de mama

O Câncer de Mama é um dos tipos mais comuns de câncer no mundo, é também o mais recorrente em mulheres, mas também se descoberto precocemente é o tipo, que tem mais altas chances de cura, cerca de 95%. A informação e a prevenção ajudam muito, especialmente para pessoas com histórico familiar.

Por isso é extremamente importante, que sejam realizados os exames para a identificação desse câncer no organismo, de forma precoce, a fim de tratá-lo com sucesso.

Citamos alguns exames para a identificação do câncer de mama acima, contudo existem outros, que também podem ser realizados, como:

 

·        Biópsia da Mama;

·        Ecografia

·        Exame de Sangue;

·        Exame FISH;

·        Exame Físico (o autoexame);

·        Mamografia Digital;

·        Mamografia Tradicional;

·        Mamotomia;

·        Ressonância Magnética;

·        Termografia;

·        Ultrassom da Mama.

 

Gostou do nosso conteúdo? Acesse nosso blog e descubra muitos outros superinteressantes. Aproveite e acompanhe nossas redes sociais para mais dicas: Instagram e Facebook.

E lembre-se, conte sempre com o Laboratório Exame para realizar os seus exames com eficácia e qualidade. Caso queira agendar o seu, ligue para o telefone (18) 3622-0011 ou através do WhatsApp (18) 98119-3963.

 



Qual é a importância de fazer um Check-up?

Ter uma vida saudável requer muito mais atitudes, do que apenas manter uma boa alimentação e a prática de exercícios físicos. Claro, que ambos ajudam e muito a mantê-la, contudo, sozinhos não são suficientes para manter um alto nível de qualidade de vida e a saúde em dia.

Os cuidados com a saúde estão em cada detalhe. Um dos passos mais importantes para manter a saúde em dia é a realização periódica de consultas e exames médicos. Essa visita de rotina possui um nome, são os famosos Check-ups.

Através do Check-up é possível aumentar ainda mais a sua qualidade de vida, mas claro, ele oferece muitos outros benefícios, por isso no artigo de hoje iremos te explicar o que é e qual é a importância de fazer um Check-up. Confira!

 

Oque é um Check-up?

O Check-up, nada mais é do que uma avaliação médica de rotina, na qual são realizados exames específicos, levando em consideração diversas características pessoais do paciente, como sua idade, sexo, histórico familiar, etc.

 

Como o  Check-up interfere efetivamente na saúde do paciente?

O Check-up atua na vida do paciente de forma preventiva, ou seja, através dele é possível identificar alterações no organismo, problemas e/ou doenças. Muitas delas podem não apresentar nenhum tipo de sintoma, por isso só são detectadas através da realização de exames periódicos que avaliam o seu organismo.

 

Quais são os benefícios de realizar um Check-up?

Obter um diagnóstico precoce é um ponto-chave para obter sucesso no tratamento da maior parte das doenças e aí está a importância da realização do Check-up.

Ele auxilia na prevenção de doenças, possibilitando a busca por informação em estágios não avançados ou evoluídos da doença, além da possibilidade de realizar ações preventivas para amenizar as chances de adquirir doenças ou piorar o quadro de alguma.

Dentre essas ações estão as vacinações, uma dieta equilibrada, criar uma rotina de exercícios físicos, orientação para hábitos mais saudáveis, como deixar defumar ou de ingerir bebidas alcoólicas.

 

A importância de fazer um Check-up

Já deu para perceber o quão benéfico o Check-up pode ser para a sua saúde. Mas claro, que eles vão muito além disso.

 

Trate sua saúde como prioridade

Saúde não tem preço! Essa é uma máxima, que você muito provavelmente já ouviu falar e que todos devemos levar muito a sério. Sim, esse é um fato, saúde realmente não tem preço e ela é o nosso principal bem, por isso fazer um Check-up com certa frequência é ter uma responsabilidade consigo mesmo, é demonstrar autocuidado e preocupação com a própria saúde.

Diversos benefícios vêm a partir da realização de um Check-up.

Quando temos a saúde em dia, ficamos mais propensos a ter uma redução de estresse, ansiedade e nos focamos mais no presente e até traçamos com mais vigor metas e planos para o futuro, tendo em mente uma saúde em dia.

 

Previna doenças

Como já citamos, muitas vezes nosso corpo não dá sinais deque algo está errado. Existem diversas doenças que são assintomáticas, ou seja, que não apresentam quaisquer sintomas visíveis ou aparentes e isso não significa, que ela não está agindo e afetando o seu organismo. Por isso, a realização de um Check-up é mais do que essencial para identificar doenças como essas e iniciar o tratamento da forma mais rápida possível.

Qualquer doença, independentemente de seu tipo, possui mais chances de ser tratada a partir de um diagnóstico precoce. Identificando-as em um estágio inicial os tratamentos são muito mais eficazes e potentes, oferecendo ao paciente maiores chances de obter sucesso e ser curado.

 

Conheça seu histórico familiar

Outro ponto que muitos desconhecem, é que diversas doenças podem ser herdadas devido a própria genética. Conhecer o histórico de saúde dos membros da sua família, é mais do que importante e pode até mesmo ser o primeiro passo para a prevenção e detecção de doenças em seu estágio inicial.

Alguns exemplos de pessoas, que na família possuem casos de doenças cardiovasculares, câncer e diabetes, estão mais propensas a desenvolverem essas enfermidades. Daí surge a importância da realização de um Check-up. A partir dele as doenças serão descobertas logo no início e os tratamentos terão muito mais chances de sucesso.

 

Redobre os cuidados ao atingir uma idade avançada

Independente da idade, é essencial manter o cuidado com a saúde e se prevenir. Contudo, ao entrar na idade mais avançada, mais especificamente após os 40 e 50 anos, a prevenção torna-se ainda mais essencial. Isso acontece, pois com o passar dos anos o corpo passa por transformações, que mudam nosso organismo, deixando por exemplo nosso sistema imunológico mais vulnerável, nossa capacidade de recuperação mais lenta e esses dois pontos tornam mais propício o surgimento de outras doenças.

Por isso, ao chegar aos 40 e 50 anos, os cuidados devem ser redobrados e eles se tornam essenciais para que chegue na terceira idade com saúde e tenha uma boa qualidade de vida. Nesse momento, uma boa opção é procurar por um bom geriatra, pois ele é um tipo de médico focado na prevenção e tratamentos de doenças, que estão associadas a idade.

 

Cuidados especiais para mulheres

As mulheres possuem características específicas em seus corpos, que requerem atenção e cuidados redobrados. Uma das características que mais necessitam de cuidados especiais é o sistema reprodutivo.

Para que sejam identificadas doenças previamente e as doenças sejam tratadas com eficácia, anualmente devem ser realizados alguns exames, como:

  • Mamografia – tem como objetivo avaliar as alterações nas glândulas mamárias. Este é recomendado para mulheres acima dos 40 anos de idade, contudo aquelas que possuem histórico de doenças na família, devem começar aos 30;
  • Papanicolau – tem como objetivo identificar alterações no colo do útero;
  • Ultrassom endovaginal – tem como objetivo a avaliação detalhada dos órgãos presentes na região pélvica.

 

Quais são os exames realizados em um Check-up?

Diversos exames podem ser realizados em um Check-up, isso vai depender de cada organismo e das necessidades, que o seu médico identificar, contudo os mais comuns de serem realizados são:

  • Colesterol e Glicemia – proporciona a análise da concentração de gorduras e açúcares presentes na circulação sanguínea;
  • Eletrocardiograma – avalia o sistema cardiovascular através do uso de eletrodos;
  • Hemograma – avalia o estoque de células vermelhas e brancas no organismo através do exame de sangue;
  • Mamografia – avalia a situação das glândulas mamárias;
  • Ultrassom – avalia a situação dos órgãos e tecidos do corpo.

Claro, esses não são os únicos exames solicitados em um Check-up, como citamos acima, são os mais comuns. Contudo, o seu médico irá avaliar o seu estado, as suas características e avaliar a necessidade de indicar e solicitar a realização de exames mais específicos ou até mesmo o encaminhamento para outro especialista.

 

Com esse artigo você conseguiu entender qual é a importância de fazer um Check-up e notar, que através dele é possível prevenir doenças com eficácia, identificar doenças previamente e realizar tratamentos com mais eficiência. Por isso, realize o Check-up regularmente.

Gostou do nosso conteúdo? Acesse nosso blog e descubra muitos outros superinteressantes. Aproveite e acompanhe nossas redes sociais para mais dicas: Instagram e Facebook.

E lembre-se, conte sempre com o Laboratório Exame para realizar os seus exames com eficácia e qualidade. Caso queira agendar o seu, ligue para o telefone (18) 3622-0011 ou através do WhatsApp (18) 98119-3963.



A importância de manter exames regulares para a saúde cardíaca

Setembro Vermelho: Cuide do seu Coração!

Campanha de combate às doenças cardiovasculares 

A saúde do coração é o primeiro passo para um corpo mais saudável. Para conquistar isso, é necessário contar com hábitos saudáveis e manter o acompanhamento com exames de rotina em dia.

E para alertar sobre a importância da saúde do coração, manifestando todos os cuidados que devem ser tomados, chega o Setembro Vermelho.

O Setembro Vermelho é uma campanha,que foi criada pelo Instituto Lado a Lado pela Vida, com o objetivo de informa re ensinar a população como ter um coração mais saudável.

O mês não foi escolhido por acaso, mas sim porque no dia 29 de Setembro é celebrado o Dia Mundial do Coração, criado pela Federação Mundial do Coração, dia aliás, criado para registrar a importância dos cuidados com a saúde do coração, que tem o objetivo de alertar e conscientizar a população, assim como a campanha faz durante o mês todo.

A conscientização auxilia na prevenção e com diagnóstico precoce, as chances de evitar as doenças ou melhorar são bem maiores,além disso exames regulares somados a hábitos saudáveis, podem fazer o coração bater cheio de saúde.

Por isso no artigo de hoje vamos falar mais sobre esse assunto tão importante, confira!

O Coração e as doenças cardiovasculares

O coração é estruturado basicamente por músculos, é o órgão responsável por garantir a circulação de sangue por todo o nosso corpo e também pela distribuição de oxigênio e nutrientes. Ele cuida da frequência cardíaca e da pressão arterial, dois dos principais sinais vitais do corpo.

Doenças Cardiovasculares são enfermidades que afetam o coração ou vasos sanguíneos. A maioria dessas doenças é resultado de problemas crônicos, que ao longo do tempo se desenvolvem.

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo. A estimativa é, que anualmente cerca de 17,5 milhões de pessoas morrem vítimas de problemas cardiológicos, isso representa 31% de todas as mortes no planeta. A cada 3 mortes, 1 é causada por doença cardiovascular.

A principal causa de morte em pessoas de 40 a 65 anos são doenças cardiovasculares e cerca de 20% das mortes em pessoas na faixa etária de 30 anos.

A cada minuto, 1 pessoa morre vítima de doenças cardiovasculares no mundo. No Brasil não é diferente, cerca de 33%dos óbitos no país estão relacionados ao coração.O país aliás, está entre os 10 países com mais mortes causadas por doenças cardiovasculares.

Principais Doenças Cardiovasculares

As doenças que mais matam no mundo,relacionadas a problemas no sistema cardiovascular são: Acidente Vascular Cerebral (AVC),Infarto do Miocárdio, Insuficiência Cardíaca e Hipertensão Arterial.

Acidente Vascular Cerebral: o AVC ocorre quando há rompimento ou obstrução de artérias responsáveis em levar oxigênio ao cérebro. Essa falta de circulação sanguínea em determinada área do cérebro, ou seja, sem sangue, podem fazer com que os neurônios na região afetada morram,devido falta de nutrientes e oxigênio. A hipertensão é a responsável por cerca de 80% dos casos de AVCs.

O AVC, popularmente conhecido como derrame cerebral, é a principal causa de incapacidades físicas e mentais e é a maior causa de morte no Brasil, inclusive a frente dos casos de infartos.

Há 2 tipos de AVC, o Isquêmico, mais comum, quando ocorre obstrução de um vaso sanguíneo e o Hemorrágico, quando há rompimento de algum vaso cerebral.

Sintomas Comuns: Confusão mental súbita; Formigamento,fraqueza ou diminuição da força de um lado do corpo; Dor de cabeça súbita e intensa; Alterações da fala, dificuldades de compreensão e desvio labial; Perda da visão em um dos olhos subitamente;Desmaio.

Infarto do Miocárdio: A doença acontece devido a diminuição do fluxo de sangue bombeado do coração para o restante do corpo. Isto é, ocorre um bloqueio do fluxo sanguíneo, com isso o volume é insuficiente para atender todas as necessidades de oxigênio e nutrientes do organismo. E isso pode acarretar em limitações na realização de atividades da rotina.

Os especialistas consideram 5 tipos de infartos com suas características e agravamentos.

Outra coisa é que muitas pessoas usam o termo ataque cardíaco para definir o infarto, porém ele bem mais abrangente, pois várias complicações podem gerar um ataque cardíaco, como uma parada cardíaca.

Sintomas Comuns: Dor no peito, em geral persistente (entre 20-30 minutos); Dor na região próxima a estômago,costas ou braço esquerdo; Formigamento nos membros superiores; Falta de ar;Palidez, tontura e suor frio.

Insuficiência Cardíaca: A doença é caracterizada pela diminuição do fluxo de sangue bombeado do coração para o restante do corpo.  Essa incapacidade com baixo volume, torna insuficiente para atender todas as necessidades de oxigênio e nutrientes do organismo.  Há dois tipos de insuficiência cardíaca: a Sistólica, quando o músculo não consegue bombear o sangue para fora do coração corretamente e a Diastólica, quando os músculos do coração ficam rígidos e não funcionam adequadamente.

Sintomas Comuns: Falta de ar; Inchaço dos pés e pernas; Palpitações; Tosse seca; Cansaço excessivo.

Hipertensão Arterial: A conhecida pressão alta é uma doença crônica em que os níveis da pressão sanguínea nas artérias são elevados.

A pressão sanguínea é apresentada em milímetros de mercúrio (mmHg) e quando a pressão fica maior ou igual a 14(máxima) por 9 (mínima), a pessoa é considerada hipertensa. A pressão alta é o risco para outras doenças cardiovasculares ou renais. O ideal é que a pressão sanguínea seja de 12 por 8.

A doença afeta homens e mulheres,principalmente após os 60 anos, quando a proporção de casos é maior que 50% da população. No Brasil, 1 em cada 4 pessoas sofre de hipertensão e infelizmente essa doença é causa de doenças cardiovasculares graves, como AVC e infarto,podendo levar a morte.

Deve-se ficar atento, pois a hipertensão é silenciosa, apresenta alguns sintomas, mas alguns já são sinal de que o caso se agravou.

A obesidade está vinculada à hipertensão, assim como o consumo excessivo de sal em pessoas geneticamente predispostos, que podem alterar e aumentar os valores da pressão arterial.

Sintomas comuns: Enjoo;Dor de cabeça;Dor na nuca;Sonolência;Zumbido no ouvido;Pequenos pontos de sangue nos olhos;Visão dupla ou embaçada;Dificuldade para respirar;Inchaço; Palpitações cardíacas.

Existem também outras doenças cardiovasculares, comuns, mas essas menos letais, como: Arritmia, Angina, Aterosclerose, Doença Vascular Periférica, Miocardite,Endocardite e tumores.

Fatores de Risco

Os principais fatores de risco para os problemas cardiovasculares são:Hipertensão, Diabetes, Dislipidemia, Estresse, Tabagismo, Obesidade,Sedentarismo, doença da Tireoide e histórico familiar, ou seja, predisposição genética. Além disso, o uso de drogas ilícitas, como a cocaína pode levar ao infarto agudo do miocárdio.

Os fatores de riscos comportamentais, ou seja, os maus hábitos podem antecipar ou agravar o aparecimento de doenças cardiovasculares.

Exames de rotina e a prevenção

É muito importante ressaltar a importância da prevenção e isso inclui a realização de exames periódicos para a saúde do coração. Afinal prevenir realmente é melhor que remediar.

A prevenção começa pelo estilo de vida, claro que muitas doenças têm origem genética, mas elas podem ser adquiridas, por isso é recomendado hábitos saudáveis, como: alimentação equilibrada, a prática de atividades físicas,evitar o uso de cigarro e outras drogas, controlar o peso e fazer visitas regulares ao médico, e claro, exames e um checkup anual.

As campanhas e ações educativas tem o objetivo de reduzir o número de doenças cardiovasculares, mortes e assim gerar corações mais saudáveis.

Se as doenças podem ser evitadas em sua grande maioria apenas com atitudes saudáveis, então por que não as fazer?! Essa é uma mensagem, que deve impactar as pessoas e chegar literalmente a seus corações.

É necessário ficar atento ao nível de colesterol e pressão alta, que são perigosos e silenciosos e claro, adotar uma rotina saudável.

Fazer exames periódicos é fundamental para manter a saúde do coração em dia, essa é uma atitude crucial para verificar a saúde cardíaca.

Inicialmente o Exame de Sangue pode ajudar a identificar o risco de doenças cardiovasculares, nele podem ser observados os níveis: de colesterol,triglicérides, glicemia, função renal e tireoidiana. O exame mais importante para a investigação cardíaca é o Eletrocardiograma, que revela qualquer anormalidade. Há ainda outros exames,como: raios-x de tórax, Ecocardiograma, Teste Ergométrico, Cintilografia Miocárdica, Cateterismo Cardíaco, Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (MAPA), Holter e Angiotomografia de Coronárias, quando indicados pelos médicos, ajudam a esclarecer e detalhar as doenças cardiovasculares.

Os exames laboratoriais, são exames de fácil realização, de forma simples e rápida, mas são capazes de revelar informações muito importantes.

Há exames não invasivos, como o Eletrocardiograma e o Ecocardiograma e os invasivos como o Cateterismo Cardíaco, que é mais complexo e demorado, mas que irá indicar mais informações complementares.

O Eletrocardiograma por exemplo apresenta a atividade elétrica do coração, já o Ecocardiograma é uma ultrassonografia, que mostra os problemas nas válvulas,fluxos sanguíneos e paredes do coração. Esses procedimentos são adicionais,isto é, são realizados quando o médico cardiologista acha necessário para análise. Já os exames laboratoriais devem ser feitos com frequência, ou seja,pelo menos uma vez ao ano é ideal que sejam feitos, um checkup, que deve ser analisado pelo médico.

Se engana quem acha, que não são necessários exames, pois trata-se do coração, um dos sistemas mais complexos do corpo humano e está sujeito a diversos problemas. Aliás, apesar de os problemas cardíacos se manifestarem geralmente na fase adulta, as crianças também estão sujeitas a diagnósticos como: sopro cardíaco ou arritmias.

O checkup cardiológico é muito importante, inclusive para pessoas que irão iniciar prática de atividades físicas, independente de idade ou sexo, é preciso verificar e receber orientação para a própria segurança e saúde.

O fato é, que muitas vezes a doença cardiovascular já existe, antes mesmo dos sintomas se apresentarem, portanto é inteligente ter todos os cuidados, seu coração agradece. Isto é, qualquer doença, que é descoberta precocemente tem muito mais chances de ser tratada e controlada, assim como as doenças do coração, além disso a prevenção é eficiente também, evitando novos casos.

 

E aí, gostou do texto? Então acesse mais nosso blog e descubra muitos outros artigos superinteressantes. Aproveite para seguir as nossas páginas nas redes sociais e acompanhar mais informações e dicas: Instagram Facebook.

E lembre-se, conte sempre com o Laboratório Exame para realizar os seus exames com eficácia e qualidade. Caso queira agendar o seu, ligue para o telefone (18) 3622-0011 ou através do WhatsApp (18) 98119-3963 (https://bit.ly/2Zhls8g).

 

 

 

 

 

 

 

 



Dicas para você cuidar da sua Tireoide

A Tireoide é uma glândula muito importante para garantir o bem-estar e o bom funcionamento do nosso organismo. Para que ela funcione e continue exercendo a sua função corretamente precisamos tomar alguns cuidados para preservá-la. Por isso, no artigo de hoje trouxemos algumas dicas para você cuidar da sua Tireoide, confira!

O que é Tireoide?

A Tireoide é uma glândula, que possui o formato de uma borboleta e está localizada na parte anterior do pescoço, logo abaixo do conhecido Pomo de Adão ou Gogó. Para a surpresa de muitas pessoas, que não aconhecem, a Tireoide é uma das maiores glândulas do corpo humano, podendo chegar a pesar entre 15 a 25g em uma pessoa adulta.

Qual é a função da Tireoide no organismo?

A Tireoide tem como função regular diversos órgãos importantes do nosso corpo, como o cérebro, coração, fígado e rins. Além de sera responsável por produzir os hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina),que agem em quase todos os sistemas do organismo.

A glândula ainda está presente em processos essenciais do corpo humano, como o crescimento e desenvolvimento de crianças e adolescentes,peso, ciclos menstruais, fertilidade, controle emocional, humor, concentração e memória.

Ou seja, somando tudo, a Tireoide é extremamente importante para o funcionamento correto e harmônico do nosso corpo.

O que acontece com o corpo, quando a Tireoide não funciona corretamente?

A Tireoide é extremamente importante para o nosso organismo,por isso quando ela não está funcionando corretamente, o corpo pode sentir impactos negativos no seu funcionamento.

Esses impactos podem se apresentar de duas formas: com a liberação excessiva ou insuficiente de hormônios, causando Hipotireoidismo ou Hipertireoidismo.

O Hipotireoidismo é causado pela falta dos hormônios produzidos pela Tireoide. Seus principais sintomas são: fadiga, sensibilidade ao frio, constipação, pele seca, ganho de peso inexplicável. Além disso, pode afetar a frequência cardíaca, temperatura corporal e diversos outros aspectos do metabolismo.

Já o Hipertireoidismo é causado pela produção em excesso dos hormônios pela Tireoide. Seus principais sintomas são: batimentos cardíacos acelerados ou irregulares, perda inesperada de peso, sudorese e irritabilidade.Além disso, pode acelerar o metabolismo.

Dicas para cuidar bem da sua Tireoide

Devido a importância dessa glândula para a nossa saúde,devemos tomar algumas precauções básicas para preservá-la. Confira algumas dicas.

Verifique periodicamente a saúde da glândula

Parece óbvio dizer isso, mas muitas pessoas não tem o hábito de realizar exames periódicos, por isso é sempre bom relembrar e reforçar as pessoas a criarem esse hábito. A melhor forma de saber como está a saúde e o funcionamento da sua Tireoide, é através de consultas médicas e exames sanguíneos regulares.A partir deles é possível verificar se a sua Tireoide está funcionando corretamente ou se possui alguma deficiência,podendo assim começar o tratamento de maneira rápida e eficaz. O recomendado pelos médicos é que esses exames sejam realizados a cada seis meses.

Alimente-se de forma saudável

Essa é uma daquelas dicas, que se aplicam em qualquer situação da vida, ter uma alimentação saudável. A Tireoide também é responsável pelo funcionamento correto do nosso sistema imunológico, por isso devemos nos alimentar com qualidade para ingerir todos os micronutrientes necessários para o organismo, como as Vitaminas D, B, C, selênio e zinco por exemplo.

Evite alimentos com agrotóxicos

Uma alimentação saudável já é um ótimo passo para a manutenção e proteção da sua Tireoide, mas uma alimentação sem agrotóxicos é ainda melhor. Essas substâncias fazem um mal imenso a Tireoide, podendo afetar diretamente o seu funcionamento e consequentemente, causar graves consequências ao nosso organismo.

Não utilize utensílios de plásticos

Os utensílios de plásticos, principalmente aqueles utilizados para o armazenamento de alimentos, podem ser inimigos da sua Tireoide.Sim, eles podem prejudicar a glândula, pois podem liberar diversas substâncias,que assim como os agrotóxicos, são perigosas e podem afetar diretamente o funcionamento dela.

Não se automedique

Medicamentos como antibióticos, antiácidos,anti-inflamatórios e antidepressivos podem ser extremamente agressivos com a Tireoide,uma vez que ela é muito sensível a essas substâncias. Por isso, você não deve utilizar medicamentos em excesso e sem a prescrição médica. Além disso, a automedicação pode causar diversos outros problemas em seu organismo.

Nunca se automedique, procure sempre um médico, leia a bula de cada medicamento que for ingerir e esteja ciente dos efeitos colaterais de cada um em seu organismo.

Como você viu, a Tireoide é uma glândula muito importante para o funcionamento correto do nosso organismo, por isso não deixe de cuidar dela. Adote essas dicas como hábitos em sua vida e preze pela sua saúde. Faça sempre consultas e exames sanguíneos regulares.

Gostou do nosso conteúdo? Acesse nosso blog e descubra muitos outros superinteressantes. Aproveite e acompanhe nossas redes sociais para mais dicas: Instagram e Facebook.

E lembre-se, conte sempre com o Laboratório Exame para realizar os seus exames com eficácia e qualidade. Caso queira agendar o seu,ligue para o telefone (18) 3622-0011 ou através do WhatsApp (18) 98119-3963.



Julho Amarelo: Combate às hepatites virais

O mês de Julho foi escolhido para marcar a luta contra às Hepatites Virais, em alerta para a prevenção e cuidados contra a doença, mas a ação continua o ano todo. Mês inclusive que conta com a data de Dia Mundial de combate às Hepatites Virais, no dia 28 de julho.

A hepatite é uma grave inflamação do fígado e pode ser causada por vírus, alguns remédios, álcool, drogas e doenças autoimunes, metabólicas e genéticas.

No Brasil as hepatites virais mais comuns são causadas pelos vírus A, B e C, além destes existem os vírus D e o E, que são mais frequente na África e na Ásia.

A doença é silenciosa e muitas vezes é portadora dos vírus B ou C e nem sabem, correndo o risco dessa doença evoluir e tornar-se mais grave, como cirrose ou câncer.

A recomendação é fazer exames de rotina regularmente, mas o diagnóstico pode ser feito através de teste rápido e/ou sorologia. O SUS oferece testes para o diagnóstico das hepatites B e C, além de tratamento contra a doença.

As hepatites virais nem sempre apresentam sintomas e quando aparecem podem ser tais como:  mal-estar, fraqueza, dor de cabeça, febre baixa, falta de apetite, cansaço, tontura, enjoo, náuseas e desconforto abdominal na região do fígado, icterícia (olhos e pele amarelados), fezes esbranquiçadas e urina escura.

Segundo a OMS, Organização Mundial de Saúde cerca de 3% da população mundial é portadora da hepatite C crônica.

Mas algumas medidas simples podem prevenir a doença, como: lavar bem as mãos; ingerir somente água filtrada ou fervida; lavar bem os alimentos antes do consumo; sempre usar preservativos nas relações sexuais; evitar contato com sangue; exigir material esterilizado ou descartável em consultórios médicos, dentários, salões de beleza, estúdios de tatuagem e colocação de piercing; não compartilhar agulhas ou seringas, lâminas de barbear, escova de dentes, entre outros hábitos de higiene padrão.

E uma forma também eficiente de prevenção é a vacina.  Existem vacina para os tipos A e B.  A hepatite tipo é aguda, mas tem vacina e tratamento. A hepatite tipo B não tem cura, mas pode ser evitado com a vacina e tem tratamento, inclusive essa mesma vacina protege também contra a hepatite D. Já a hepatite C ainda não tem vacina, mas tem cura em mais de 90% dos casos, quando o tratamento é feito corretamente.

O Laboratório Exame apoia essa luta e pede a todos que se  previnam, façam o teste, tomem a vacina , façam o tratamento, porque saúde é coisa séria. Cuidem-se!



Coleta Externa: realize seus exames em casa ou onde preferir

Realizar exames periodicamente é essencial para manter a saúde em dia, contudo nem sempre temos a disponibilidade de nos deslocar até um laboratório para realizá-los, não é mesmo? Afinal, imprevistos sempre acontecem e acabam mudando completamente a nossa rotina e planejamento.

Nós do Laboratório Exame entendemos isso e para a sua comodidade e praticidade vamos até a sua casa, trabalho ou onde preferir realizar os seus exames, sem cobrar qualquer taxa extra, por isso garantindo segurança, privacidade, comodidade e claro qualidade.

O que é a Coleta Externa feita pelo Laboratório Exame?

A coleta externa nada mais é do que um serviço desenvolvido para facilitar o dia a dia de quem precisa realizar exames. 

É extremamente comum, que os médicos peçam para que sejam realizados examesperiodicamente para checar a saúde e identificar quaisquer anomalias, mas muitos pacientes não têm disponibilidade de tempo ou meios para ir até algum laboratório realizá-los, como por exemplo, idosos com dificuldade de locomoção, gestantes que precisam de repouso ou pessoas com tempo escasso. 

Pensando nisso foi desenvolvido o serviço de coleta externa, onde enviamos profissionais qualificados para realizar diversos tipos de exames, contando com toda a excelência técnica do Laboratório Exame, onde o paciente preferir, seja sua casa, trabalho ou qualquer outro lugar.

Além disso, garantimos a privacidade do paciente e claro, um atendimento de qualidade com os melhores profissionais.

Como agendar uma Coleta Externa com o Laboratório Exame?

Essa é simples, para agendar, saber quais são os exames realizados pela Coleta Externa em sua cidadee verificar quais planos atendem essa facilidade, basta entrar em contato comnossa central de atendimento, ligando ou através dos nossos canais digitais.

Central de Atendimento:

Atendimento Telefônico: (18) 3622-0011

Atendimento via WhastApp: (18) 98119-3963 (https://bit.ly/2Zhls8g)

Localização: Rua Floriano Peixoto, 817 | Vila Mendonça | Araçatuba/SP

Exames realizados pelo Laboratório Exame

Além dos diversos serviços que prestamos, realizamos uma grande gama de exames, sendo eles:

• Alergia;

• Bacteriologia;

• Biologia Molecular;

• Bioquímica;

• Doenças Infecciosas;

• Hematologia;

• Hormônios;

• Imunologia;

• Marcadores Tumorais;

• Parasitologia;

• Toxicológicos;

• Uroanálise;

Facilite sua vida, tenha seus exames em dia e claro, realize com um laboratório seguro e com qualidade! Agende a sua Coleta Externa com o Laboratório Exame.



Acompanhamento pré-natal e exames gestacionais para uma gestação saudável

A gravidez é um momento mágico, que requer muito cuidado e uma atenção especial. Assim que qualquer mulher descobre, que está em gestação, é necessário tanto para sua saúde, quanto para a da criança, seguir uma rotina de consultas e exames para que todo o trajeto seja perfeito e isso é chamado de pré-natal. 

O acompanhamento pré-natal é essencial durante a gestação, pois ele é uma forma de supervisionar tudo o que está acontecendo com o bebê e sua mãe, identificando e evitando assim eventuais problemas, além de proporcionar um período muito mais seguro e saudável.

Muitas mães ficam bastante preocupadas com esse momento, por isso nós fizemos esse artigo para tirar algumas dúvidas sobre o acompanhamento pré-natal e quais exames gestacionais devem ser feitos para uma gestação saudável, confira.

Com que frequência devo ir ao médico durante o pré-natal?

De acordo com o Ministério da Saúde a gestante deve visitar o médico no mínimo seis vezes durante a gestação, contudo, muitos profissionais da área acabam fazendo um acompanhamento maior e com mais visitas para garantir o melhor.

O número de consultas geralmente varia de acordo com cada médico e com as características de cada gestante. Contudo, o mais comum é que a gestante visite o seu obstetra pelo menos uma vez ao mês, nos sete primeiros meses, duas vezes no oitavo e todas as semanas no nono.

Quais são os exames gestacionais feitos no pré-natal?

Bem, durante o pré-natal são realizados diversos exames diferentes para identificar como está saúde da mãe e do bebê, além de identificar eventuais problemas. 

Tenha em mente que a gravidez é uma situação única para cada mãe, afinal cada pessoa possui suas características pessoais e por isso, em cada pré-natal podem ser exigidos pelos médicos exames diferentes dos listados aqui.

Exames Iniciais

Sangue

O primeiro exame a ser realizado assim que é descoberta a gravidez,é o exame de sangue. A partir dele é possível:

• Identificar qual é o tipo sanguíneo da gestante (essencial para identificar o fator Rh, caso seja negativo);

• Identificar se possui anemia;

• Identificar se corre o risco de contrair doenças como rubéola, citomegalovirosee toxoplasmose;

• Identificar infecções como Hepatites A, B e C, HIV, sífilis, etc;

• Dosar os hormônios e anticorpos da tireoide.

Além disso, a partir desse exame é possível realizar uma pesquisa de trombofilias congênitas, que ajuda a prevenir o nascimento prematuro e alertar para doenças hipertensivas que podem surgir durante o período de gestação.

Urina

Assim como o de sangue, o exame de urina é um dos primeiros a serem realizados. Ele é essencial para detectar eventuais  infecções urinárias, além de ser ótimo para auxiliar no acompanhamento de gestantes diabéticas.

Fezes

Esse exame auxilia a encontrar possíveis parasitas no intestino que podem provocar problemas como a anemia. 

Da 5ª a 8ª semana de gestação

UltrassomIntravaginal

Com a realização dessa ultrassonografia é possível ouvir os batimentos cardíacos do embrião, visualizar o embrião e o saco gestacional, além de auxiliar a identificar o tempo de gravidez e provável data do parto.

Da 11ª a 14ª semana de gestação

TranslucênciaNucal

Esse exame tem como objetivo medir a espessura do fluído que fica entre a pele e a gordura da nuca do feto.

A partir dos resultados é possível:

• Medir o bebê;

• Atestar a sua vitalidade através dos batimentos cardíacos;

• Identificar quais são as probabilidades do feto possuir alguma anomalia, como a principal identificada pelo exame, Síndrome de Down;

• Verificar se o bebê possui alguma alteração cromossômica, a partir da ausência do osso nasal;

• Identificar sinais de possíveis problemas cardíacos através da observação do ducto venoso. 

Da 20ª a 22ª semana de gestação

Ultrassom Morfológico

Essa ultrassonografia permite que os médicos possam analisar os órgãos do bebê. Geralmente, nela também já é possível identificar qual é o sexo da criança.

Da 24ª a 28ª semana de gestação

Triagem para Diabetes Gestacional

Também conhecido como curva de tolerância glicêmica ou teste oral de tolerância à glicose, com esse exame é possível identificar se a mãe desenvolveu a diabetes gestacional durante a gravidez. Se sim, será necessário que a paciente tome alguns cuidados especiais.

O exame é realizado em laboratório, no qual a gestante bebe um copo de glicose e logo após é submetida a algumas coletas de sangue, que por sua vez serão analisadas para a obtenção de resultados.

Da 34ª a 37ª semana de gestação

Triagem para Estreptococo Beta-Hemolítico

Esse exame é feito a partir da análise laboratorial, de uma coleta de uma amostra de secreção vaginal da gestante e outra do reto. Através da análise é possível identificar infecções causadas pela bactéria estreptococo do grupo B, que pode acabar sendo transmitida para a criança durante o nascimento, provocando diversas complicações e até mesmo a morte.

Ultrassom do Terceiro Trimestre

Com essa ultrassonografia é possível:

• Verificar o tamanho, peso e posição do bebê;

• Avaliar a concordância de peso entre os fetos de gravidez múltipla (gêmeos);

• Avaliar a maturidade da placenta;

• Avaliar a quantidade de líquido aminiótico;

• Revisar as estruturas fetais, especialmente as com maior predisposição ao aparecimento de malformações de início tardio, como cérebro, trato digestivo, trato urinário e posicionamento dos pés;

• Determinar se o feto está recebendo oxigênio suficiente;

• Diagnosticar problemas com os ovários ou útero, tais como tumores da gravidez;

• Medir o comprimento do colo do útero;

• Confirmar um possível sofrimento fetal e risco de morte intrauterina.

Situações especiais

A gravidez pode exigir cuidados diferentes para cada mulher, diversos aspectos podem interferir na gestação, como:

• Gravidez após os 35 anos de idade;

• Doenças hereditárias;

• Doenças como diabetes ou hipertensão;

• Doenças prévias, como câncer ou lúpus, por exemplo;

• Gestação de múltiplos.

Quando a gestante possui alguma dessas características ou outras, é necessário a realização de um pré-natal ainda mais minucioso e cuidadoso. Por isso, provavelmente serão feitas mais consultas e consequentemente exigidos exames específicos adicionais. Alguns deles são:

Teste de Coombs

A partir do exame de sangue feito no início do pré-natal é possível identificar se o fator Rh da mãe é negativo. Esse teste, também realizado por exame de sangue, revela se houve contato entre o sangue da mãe e o do bebê, para que então possa ser iniciado o tratamento para evitar prejuízos ao feto. 

Esse tratamento deve ser realizado, pois a incompatibilidade sanguínea pode causar a eritroblastose fetal, que é uma situação na qual o corpo da mãe destrói as hemoglobinas do feto, podendo levar à morte. 

Da 11ª a 14ª semana de gestação

Biópsia de ViloCorial

Esse exame geralmente é indicado pelos médicos, quando existe a suspeita de alterações cromossômicas no bebê, como pode ser identificado no exame de TranslucênciaNucal.

O exame apresenta um pequeno risco de provocar aborto na gestante, pois é realizado a partir da amostra da placenta, que é coletada do abdômen da mãe, por meio de uma agulha. 

A partir da 12ª semana de gestação

Ultrassom Transvaginal

Quando a mulher apresenta uma gestação com grandes riscos de prematuridade é ideal a realização dessa ultrassonografia, pois através dela é possível identificar as condições do colo do útero.

Caso identificada alguma possibilidade de rompimento, o médico avalia a possibilidade de realizar a cerclagem uterina.

Da 18ª a 24ª semana de gestação

Teste da Fibronectina Fetal

Assim como o ultrassom transvaginal, esse teste avalia quais são as chances do nascimento do bebê ser prematuro. É realizado a partir da análise de secreção vaginal.

A partir da 28ª semana de gestação

Ecocardiograma Fetal

Geralmente esse exame é exigido em situações onde o feto possua maior probabilidade para o desenvolvimento de anomalias cardíacas, quando é constatada alteração cromossômica ou quando a mãe possui alguma malformação congênita do coração. Com esse exame é possível observar detalhadamente o funcionamento do coração do feto.

Perfil Biofísico Fetal

Esse exame é exigido quando existe alguma suspeita do bebê estar com o desenvolvimento comprometido. A partir dele é possível avaliar:

• A reatividade da frequência cardíaca;

• Os movimentos respiratórios;

• Os movimentos dos membros;

• O tônus muscular;

• O volume do liquido amniótico.

Durante toda a sua gestação, cuide bem da sua saúde e a do seu filho, faça o pré-natal desde o início. Lembre-se que você pode contar com o Laboratório Exame para realizar os seus exames com eficácia e qualidade.



Saiba mais sobre o exame que detecta tuberculose

Em 24 de março é celebrado o Dia Mundial de Combate à Tuberculose, doença causada por uma bactéria (Mycobacterium Tuberculosis) que afeta com mais frequência os pulmões, mas pode infectar qualquer parte do corpo, incluindo os ossos e o sistema nervoso. A bactéria se espalha pelo ar quando pessoas infectadas tossem, falam, cospem ou espirram.

Os sintomas da tuberculose ativa incluem tosse persistente (por mais de duas semanas), que pode apresentar-se com sangue ou escarro; febre; sudoração noturna; perda de peso; dores no peito; e fadiga.

Para se detectar a bactéria ou fungos que podem causar infecções nos pulmões ou vias respiratórias, é realizado o exame de escarro. A expectoração é um líquido espesso produzido nos pulmões e vias respiratórias que é eliminada com a tosse. Para fazer o exame de escarro, uma amostra de expectoração é colocada num recipiente com substâncias que promovem o crescimento de bactérias ou fungos. Se os organismos que podem causar infecção se multiplicarem, a cultura é positiva. O tipo de bactéria ou fungo será identificado com um microscópio ou por análises químicas.

A análise de escarro também pode ser feita para identificar se as bactérias ou fungos que estão no seu organismo têm maior sensibilidade a um determinado medicamento, ajudando na escolha do tratamento mais adequado.

O tratamento para tuberculose sem complicações leva, no mínimo, seis meses e, na maior parte dos casos, o tratamento é feito com dois antibióticos de primeira linha.

Um passo inicial na prevenção é evitar o contato por tempo prolongado com pacientes diagnosticados com tuberculose em ambientes lotados, fechados e com pouca ventilação. 



Por que vacinar contra o sarampo?

Levar aquela “picadinha” da vacina não é nada agradável de sentir ou ver nos filhos. Apesar do desconforto, mesmo em adultos, é importante entendermos que essa “picadinha” deve ser parte da nossa rotina porque é fundamental para evitar doenças graves como o sarampo, que há três anos, voltou a ocorrer no Brasil.

 

O sarampo é uma infecção altamente contagiosa que pode resultar em sérias consequências para a saúde e até a morte, sobretudo nas crianças. E a forma mais eficaz de deixar essa doença bem longe é a vacina!

 

A nova etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo tem foco em mais de 3 milhões de crianças e jovens na faixa etária de 5 a 19 anos. Eles devem buscar os postos de vacinação até 13 de março.

 

Com o objetivo de interromper a transmissão do sarampo, eliminar a circulação do vírus e garantir altas coberturas vacinais, o Ministério da Saúde traçou uma estratégia nacional. As duas primeiras etapas já ocorreram em 2019, com a realização de campanha de vacinação nacional, em outubro, de crianças de seis meses a menores de 5 anos de idade. A segunda etapa aconteceu em novembro para a população de 20 a 29 anos. Dando continuidade às ações em 2020, outras duas etapas de mobilização nacional devem ocorrer, além da prevista para este mês de fevereiro: junho a agosto, para reforço do público de 20 a 29 anos de idade, mais suscetíveis ao sarampo; e em agosto para a população de 30 a 59 anos de idade.



Carnaval está chegando e a melhor forma de aproveitar a folia é se protegendo

O Carnaval é uma das épocas do ano mais esperadas para curtir um descanso ou festejar com os amigos e a família. Porém, no meio da diversão, algumas ameaças tornam-se mais perigosas, como as ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis). Elas costumam ser transmitidas pela relação sexual sem preservativo, podendo também ser passadas de mãe para filho durante a gravidez ou parto e, ainda, pelas transfusões de sangue ou compartilhamento de materiais como seringas e facas.

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), estima-se que 340 milhões de casos dessas doenças sejam registrados por ano. São mais de 10 tipos de ISTs, sendo a maioria provocada por vírus e bactérias. Os sintomas podem variar com o tipo da doença e o uso de preservativos é o melhor método para evitar o contágio, assim como não compartilhar seringas e outros materiais perfuro-cortantes.

Essas infecções podem ser detectadas por meio de exames laboratoriais, que são a melhor forma de se obter um diagnóstico e tratamento. Saiba quais são algumas delas:

– HPV (Papiloma Vírus Humano): vírus que causa lesões benignas, como verrugas genitais, e malignas, como câncer – sendo o câncer de colo de útero e no ânus os mais comuns. É transmitido pelo contato com a pele ou mucosa infectada e a maioria das infecções é combatida pelo organismo, regredindo em até dois anos após o contágio.

– HIV: vírus causador da AIDS, doença crônica que danifica o sistema imunológico. É transmitido por relações sexuais desprotegidas, compartilhamento de seringas e agulhas contaminadas, transfusão de sangue infectado e de mãe para filho na gestação ou no parto. Ainda não há cura, mas o tratamento garante o controle da doença e a qualidade de vida do paciente.

– Sífilis: infecção bacteriana cujos principais sintomas são feridas na região genital (fase primária) e manchas pelo corpo (fase secundária). É perigosa quando não tratada, podendo causar surdez, problemas de visão, meningite, AVC e aneurismas cerebrais. A principal forma de contágio é através de relações sexuais, transfusão sanguínea e de mãe para filho.

– Gonorreia: considerada a mais comum entre as ISTs, é causada por uma bactéria durante relações sexuais desprotegidas ou passada da mãe para o filho. A doença tem cura e é tratada com antibióticos e a ausência de relações sexuais no período.

– Clamídia: normalmente assintomática, essa doença bacteriana é transmitida pela relação sexual desprotegida e da mãe para o filho. A clamídia tem cura quando tratada de forma correta, mas a detecção precoce ajuda a aumentar as chances de cura.



Janeiro Branco: conheça a campanha sobre cuidados com a saúde mental

Janeiro Branco é uma campanha nova, ainda pouco conhecida, mas que alerta para uma situação muito importante: a saúde mental. A campanha é dedicada a convidar as pessoas a pensarem sobre suas vidas, o sentido e o propósito delas, a qualidade dos seus relacionamentos e o quanto elas conhecem sobre si mesmas, suas emoções, seus pensamentos e sobre os seus comportamentos. A ideia é debater sobre psicologia, psiquiatria, saúde mental e emocional, para que muitos possam compreender essa ideia e se beneficiar de um acompanhamento adequado.

Todos precisam se compreender e conhecer a forma como lidam e reagem ao mundo, criando recursos para enfrentar as diversas situações da vida - o impacto diário na vida emocional, as situações familiares, os problemas financeiros, o estresse, as ameaças e os medos.

Mais importante do que uma cura é a compreensão da pessoa humana enquanto um ser que a cada dia constrói a sua existência. Cuidar da saúde mental é autoconhecimento, é desenvolver e fortalecer habilidades e competências para lidar com as diversas situações da vida.

O cuidado faz parte das necessidades fundamentais para a sobrevivência da vida humana. Portanto, um tratamento adequado é visto no sentido de proteger, promover e preservar, ajudando a pessoa a encontrar sentido na própria existência.

A campanha Janeiro Branco começou em 2014 em Minas Gerais e hoje já conta com colaboradores em diversas cidades do Brasil. A cada ano mais pessoas aderem e ajudam na campanha. Em muitas cidades é possível participar de palestras ou mesas de debate sobre o assunto.

O mês de janeiro foi escolhido a dedo para a campanha. O primeiro motivo é que em janeiro as pessoas têm a sensação de um novo começo, novos planos e novo estilo de vida. Os criadores da campanha quiseram aproveitar esse clima para que as pessoas comecem o ano pensando também em sua saúde mental. Além disso, muitas pessoas passam pela melancolia de fim de ano, e janeiro é um momento em que muitas pessoas estão fragilizadas por isso, sendo esse o momento ideal para buscar ajuda profissional e começar a cuidar da mente. Já a cor branca representa o quadro em branco, o papel em branco, no qual escreveremos ou desenharemos uma nova história da saúde mental, sem os tabus e preconceitos que a cercam.



Dezembro Vermelho: saiba como é o exame para identificar o HIV

O exame para o HIV é feito com o objetivo de detectar a presença dos anticorpos no organismo e deve ser feito pelo menos 30 dias após a exposição a situações de risco, como relações sexuais desprotegidas ou contato com sangue ou secreções de pessoas portadoras do vírus HIV.

O teste de HIV é simples e é feito principalmente por meio da análise de uma amostra de sangue, mas também pode ser utilizada a saliva para verificar a presença do vírus no organismo. Os testes de HIV pesquisam os dois tipos de anticorpos, do HIV 1 e do HIV 2. Confirmada a presença dos anticorpos, é feito exame para confirmar se há o vírus, para então se iniciar o tratamento.

O exame deve ser realizado no mínimo 1 mês após o comportamento de risco, pois a ja- nela imunológica, que corresponde ao tempo entre o contato com o vírus e a possibilidade de detecção do marcador da infecção, é de 30 dias, podendo haver a liberação de um resultado falso negativo caso o exame seja realizado antes dos 30 dias.

Para entender o resultado do teste do HIV, é importante verificar se é reagente, não reagente ou indeterminado além dos valores indicados, pois normalmente quanto maior o valor, mais avançada é a infecção.

Um teste não reagente (negativo) significa que o seu corpo não possui anticorpos contra o HIV no momento da testagem. Na ausência de comportamento de risco ou de exposição acidental no período de janela imunológica, não há necessidade de realização de um novo teste. Caso persista a suspeita de infecção pelo HIV, um novo teste deverá ser realizado em 30 dias.

Um teste não reagente (negativo) não significa que a parceria da pessoa testada não está infectada pelo HIV. Em caso de reagente (positivo) o próprio laboratório utiliza outros métodos para confirmar a presença do vírus no organismo, como o Western Blot, Immunoblotting, Imunofluorescência indireta para o HIV-1. Assim, o resultado positivo é mesmo confiável.

No caso de resultado indeterminado, é reco- mendado que o exame seja repetido após 30 a 60 dias para que seja verificada a presença ou ausência do vírus. Nesses casos, o exame deve ser repetido mesmo que não existam sintomas, como perda rápida de peso, febre e tosse persistentes, dor de cabeça e aparecimento de manchas vermelhas ou pequenas feridas na pele, por exemplo.

Um detalhe importante é que o resultado do exame de HIV é totalmente confidencial e não fica disponível para consulta na internet, sendo somente possível a retirada pelo próprio solicitante no laboratório. 



Novembro Azul: câncer de próstata é um dos que mais matam homens no Brasil

O Novembro Azul é um movimento mundial que acontece durante o mês de novembro para reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata. A doença é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens brasileiros, de acordo com o Inca (Instituto Nacional de Câncer). As maiores vítimas são homens a partir dos 50 anos, além de pessoas com presença da doença em parentes de primeiro grau, como pai, irmão ou filho.

Aliás, você sabia que o Novembro Azul, uma das campanhas de conscientização de saúde mais importantes do mundo, nasceu no Brasil? Em 2011, inspirada pelo movimento australiano Movember (Moustache/November, em livre tradução Bigode/Novembro) e pela campanha internacional Outubro Rosa, para o câncer de mama, a fundadora e presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida, Marlene Oliveira, decidiu lançar o Novembro Azul.

Em pouco tempo, a campanha ganhou projeção e se transformou em uma ação de domínio público: foi abraçada por instituições governamentais, ONGs, empresas e pela sociedade civil, transformando-se em uma grande mobilização que engaja milhões de pessoas.

Tudo começou em 2008, quando o Instituto Lado a Lado pela Vida lançou a sua primeira campanha “Um Toque, um Drible”, com o objetivo de promover a mudança de comportamento dos homens em torno do hábito de consultar um médico e realizar exames preventivos de saúde e dos exames para o diagnóstico precoce do câncer de próstata. Mas até hoje, o principal exame, o de toque, ainda é um tabu entre os homens.

Para se ter uma ideia da gravidade, a cada dia 42 homens morrem em decorrência do câncer de próstata e aproximadamente 3 milhões de brasileiros vivem com a doença.



Outubro Rosa: mês de conscientização sobre o câncer de mama

O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é lembrado em todo o mundo. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades.

Este movimento começou nos Estados Unidos, onde vários Estados tinham ações isoladas referente ao câncer de mama e ou mamografia no mês de outubro, posteriormente com a aprovação do Congresso Americano o mês de outubro se tornou o mês nacional (americano) de prevenção do câncer de mama.

A história do Outubro Rosa remonta à última década do século 20, quando o laço cor-de-rosa, foi lançado pela Fundação Susan G. Komen for the Cure e distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, em 1990 e, desde então, promovida anualmente na cidade.

Em 1997, entidades das cidades de Yuba e Lodi nos Estados Unidos, começaram efetivamente a comemorar e fomentar ações voltadas a prevenção do câncer de mama, denominando como Outubro Rosa. Todas ações eram e são até hoje direcionadas a conscientização da prevenção pelo diagnóstico precoce. Para sensibilizar a população inicialmente as cidades se enfeitavam com os laços rosas, principalmente nos locais públicos, depois surgiram outras ações como corridas, desfile de modas com sobreviventes (de câncer de mama), partidas de boliche, etc.

Logo depois surgiram as ações de iluminar de rosa monumentos, prédios públicos, pontes, teatros e vários outros lugares. O importante é que foi uma forma prática para que o Outubro Rosa tivesse uma expansão cada vez mais abrangente para a população e que, principalmente, pudesse ser replicada em qualquer lugar, bastando apenas adequar a iluminação já existente.

O câncer de mama pode ser detectado em fases iniciais, em grande parte dos casos, aumentando assim as chances de tratamento e cura. A amamentação gera inúmeros benefícios para a saúde da mãe e do bebê. A prevenção do câncer de mama é um deles. O risco de contrair a doença diminui 4,3% a cada 12 meses de duração de amamentação. Essa proteção independe de idade, etnia, paridade e situação hormonal (pré ou pós- menopausa).

A doença é o segundo tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil – atrás apenas do de pele não melanoma –, respondendo por cerca de 28% dos casos novos a cada ano. O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença.



Setembro Amarelo: saiba reconhecer os sinais de alerta

O Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio. No Brasil, foi criado em 2015 pelo CVV (Centro de Valorização da Vida), CFM (Conselho Federal de Medicina) e ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), com a proposta de associar à cor ao mês que marca o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio (10 de setembro).

Todos podem ser divulgadores desta importante causa. Ações na rua, caminhadas, passeios ciclísticos, roupas amarelas ou simplesmente o uso do laço no peito já despertam atenção e contribuem para a conscientização. Faça parte desta causa! E não se esqueça: a campanha é em setembro, mas falar sobre prevenção do suicídio em todos os meses do ano é fundamental.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), nove em cada dez mortes por suicídio podem ser evitadas. O dado indica que a prevenção é fundamental para reverter essa situação, garantindo ajuda e atenção adequadas. A primeira medida preventiva é a educação. É preciso perder o medo de se falar sobre o assunto. O caminho é quebrar tabus e compartilhar informações. Esclarecer, conscientizar, estimular o diálogo e abrir espaço para campanhas contribuem para tirar o assunto da invisibilidade e, assim, mudar essa realidade.

Saber reconhecer os sinais de alerta pode ser o primeiro e mais importante passo. Isolamento, mudanças marcantes de hábitos, perda de interesse por atividades de que gostava, descuido com aparência, piora do desempenho na escola ou no trabalho, alterações no sono e no apetite, frases como “preferia estar morto” ou “quero desaparecer” podem indicar necessidade de ajuda. Seja com um amigo, parente ou com um profissional, o importante é conversar, se abrir e principalmente prevenir e se atentar a qualquer pedido de socorro, ainda que silencioso.

AJUDA

O CVV realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, e-mail e chat 24 horas todos os dias. O telefone de contato com ligação gratuita é o 188, que atende pessoas do Brasil inteiro. Mais informações sobre o CVV podem ser acessadas pelo site www.cvv.org.br.



Conheça as restrições do exame para identificar câncer de próstata

O exame de PSA tem várias funções, mas a principal delas é verificar a presença de um câncer de próstata e o andamento da doença. Ele também é um marcador comum para outras doenças da próstata, como a prostatite e lesões no geral. Para ser fazer esse exame, é preciso seguir algumas restrições, caso contrário, é possível que haja algumas alterações no resultado.

PSA, na sigla inglesa: Prostate Specific Antigen (Antígeno Prostático Específico), é uma substância produzida pela célula prostática, eliminado para a luz da glândula e que tem a função de liquefazer o sêmen após a ejaculação.

O líquido seminal ejaculado vem da glândula prostática, das vesículas seminais (que se encontram atrás e para cima da próstata) e menos de 1% por espermatozoides.

A maior parte do PSA vem do sêmen, mas uma pequena quantidade pode ser encontrada no sangue. Na verdade, o que ocorre é um refluxo do PSA para o sangue que deveria ir para a luz da glândula, e isto acontece quando há alguma lesão na parede da célula prostática provocada, por exemplo por trauma, inflamação, infecção, proliferação benigna da próstata, conhecida por hiperplasia benigna da próstata ou pelo próprio câncer.

Em resumo, qualquer lesão da membrana da célula prostática pode causar escape do PSA de dentro da célula para o sangue, mesmo que transitoriamente.

São recomendadas algumas considerações para coleta do sangue aos homens que estão sendo investigados quanto a saúde prostática como jejum de pelo menos quatro horas; não ejacular por 48 horas antes da coleta; não realizar exercícios que causem impacto no períneo, como andar de bicicleta e equitação e não fazer sexo anal antes do exame.

Exame após toque retal, sondagem uretral, ultrassonografia transretal e biopsia de próstata são alguns fatores que podem impedir a realização temporária do exame.

Homens com prostatectomia, que é a extirpação total ou parcial da próstata, não têm a necessidade de seguir essas exigências para a coleta do exame.

Para entender o resultado, são usados valores de referência estabelecidos pelo médico. Cabe ao profissional avaliar o PSA, se está anormal para cada paciente, considerando suas queixas clínicas e o exame físico da próstata. Às vezes, o PSA pode estar aumentado, mas não significa doença que deva ser tratada, mesmo que o diagnóstico seja de câncer prostático.



Brasil lidera casos de HTLV no mundo

Pelo menos 2 milhões de pessoas no Brasil são infectadas pelo vírus HTLV, segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O número coloca o País na liderança de casos em todo o mundo.

Na maior parte dos casos, os infectados pelo HTLV não apresentam sinais e sintomas e apenas 10% apresentam algumas doenças associadas a esse vírus, tais como: doenças neurológicas, oftalmológicas, dermatológicas, urológicas e hematológicas.

As duas principais doenças que o HTLV causa são a leucemia de célula T e a paraparesia espástica tropical. Essa última pode ocasionar a perda dos movimentos da cintura para baixo. De origens neurológicas, elas costumam trazer graves problemas aos pacientes. O tratamento é direcionado de acordo com a doença relacionada ao HTLV.

O HTLV é causado pelo vírus T-linfotrópico humano, que atinge as células de defesa do organismo, os linfócitos T. Ele foi o primeiro retrovírus humano isolado (no início da década de 1980) e é classifi cado em dois grupos: HTLV-I e HTLV-II.

A infecção é causada por um retrovírus transmitido do mesmo jeito que o HIV, que ataca o sistema imunológico e também não pode ser eliminado do corpo. Menos agressivo que o HIV, o HLTV na maioria das vezes não se manifesta.

A transmissão ocorre de maneira semelhante ao HIV: pela relação sexual sem camisinha com uma pessoa infectada, compartilhamento de seringas e agulhas durante o uso de drogas, e da mãe infectada para o recém-nascido (também chamado de transmissão vertical), principalmente pelo aleitamento materno.

Geralmente, a pessoa descobre que é portadora do HTLV, por acaso, quando vai doar sangue. O diagnóstico de certeza só é estabelecido pelos resultados positivos dos testes ELISA e Western-blot específicos para esse tipo de retrovírus.

A prevenção ocorre por meio do uso da camisinha masculina ou feminina em todas as relações sexuais e pelo não compartilhamento de seringas, agulhas ou outro objeto cortante.